ConTemplo

O trabalho de Ana Biolchini percorre o caminho poético para atingir aspectos profundos não passíveis de serem expressos por palavras. Demonstra um apurado senso plástico ao elaborar uma instalação em que a luz é o fio condutor da obra. Ela nos faz perceber um espaço sagrado sugerido pela alta curvatura do arco pleno e pela luminosidade que os vidros das janelas deixam penetrar no ambiente.

A arquitetura preexistente - pele que envolve o todo - somada à presença de objetos e fotogravuras ali colocados, evoca uma sala de meditação. A relação entre eles e o lugar que ocupam no recinto nos causa enlevo, fazendo com que o trabalho não mais exija a participação física, mas se torne um convite à contemplação. A integração dos componentes passa a ser gerada, a partir daí, dentro das próprias formas. A espiral, como forma simbólica, faz vibrar ritmos vitais e ativar a espiritualidade, ligando o que é em parte instinto e o que é em parte corpo.

Ana aspira ao equilíbrio sensível a partir de atos de consciência capazes de transformar uma ideia em algo palpável e, assim, torná-la acessível e impossível de ser esquecida.

Lia do Rio - 2019 

 

 

ConTemplo

The work of Ana Biolchini follows a poetic path to reach deep aspects that cannot be expressed by words. It demonstrates a refined aesthetic sense when elaborating an installation where light is the guiding thread of the work. It leads us to perceive a sacred space suggested by the high curvature of the full arch by the brightness that the window glass allows to penetrate the environment.

The pre-existing architecture - skin that surrounds the whole - plus the presence of objects and photogravures placed there, evoke a meditation room. The relationship between them and the place they occupy in the room causes us wonder, and work no longer requires physical participation, but becomes an invitation to contemplation. The integration of the components comes from within the shapes themselves. The spiral, as a symbolic shape, vibrates vital rhythms and activates spirituality, linking what is partly instinct and what is partly body.

Ana aspires to sensible balance through acts of consciousness capable of turning an idea into something palpable, making it accessible and impossible to forget.

Lia do Rio - 2019